Notícias do Tocantins
Política

Atualizado em: 15/06/2017 23:47:45

Temer é o chefe da ditadura dos corruptos

Por: 247

Compartilhe:

Comente

Crédito da imagem: Divulgação

Ditadura dos corruptos e o lider.




Os historiadores do futuro vão ficar na dúvida a respeito de qual epíteto é o mais adequado para definir Michel Temer.

Mordomo de filme de terror? Vice decorativo? Traidor? Golpista? Corrupto?

Tomo a liberdade de sugerir que o chamem de "coveiro da Nova República". Traidor de Ulysses Guimarães.

Acho que é a definição mais adequada porque tudo o que ele e o bando que trouxe para o Planalto fizeram até agora, em um ano de mandato ilegítimo, foi anular o que a constituição de 1988 introduziu em matéria de direitos civis e econômicos com o objetivo de diminuir a monumental desigualdade social que vigora no Brasil.

Valendo-se de uma maioria na Câmara e no Senado que tem o mesmo perfil do governo, composto por investigados e suspeitos de corrupção, que são protegidos por Temer até mesmo com a criação de ministérios especiais, como no caso de Moreira Franco.

Eles não derrubaram a presidente eleita para colocarem o país nos trilhos e sim para enterrarem a Nova República.

Temer é o coveiro-mor.

Aqueles que achavam exagero chamar de golpe o que aconteceu no ano passado, podem constatar agora que foi golpe, sim, e a prova é que Temer e seus subalternos não fizeram outra coisa nesses quase 400 dias de governo a não ser mudar a constituição.

Que é a primeira medida de todos os golpistas quando chegam ao poder.

E mudar para pior. Para retroceder aos tempos pré-ditadura Vargas.

A constituição-cidadã está virando uma constituição-cortesã.

Ainda não está claro o que virá depois da Nova República. O que é certo é que ela está morta e o estágio atual se assemelha a uma ditadura.

Não é uma ditadura clássica, civil, como a de Vargas ou militar, como a de 64.

É uma ditadura nova, fruto dos tempos atuais: a ditadura dos corruptos.

Eles mandam no Executivo, no Legislativo e no Judiciário.

Todos chefiados por Temer.

E não precisam do aplauso das ruas. Preferem o cheiro dos cavalos.

Tanto é uma ditadura que o principal movimento de oposição a ela clama por Diretas Já.

Não estamos mais naqueles tempos românticos da caixinha do Adhemar.

Não estamos mais no tempo em que o sobrenome de outro corrupto notório deu origem a um novo verbo: malufar.

Não estamos mais no tempo de Collor.

Todos amadores perto dos que agora ocupam os postos-chave da República.

A corrupção se tornou tão corriqueira nas relações entre políticos e empresários e cresceu tanto que os corruptos, agora, são maioria.

Agem, agora, como organização criminosa tipificada na Lei 12.850 promulgada pela presidente Dilma em 2013, que regulamentou a "colaboração premiada" dos delatores e a "ação controlada" da Polícia Federal, na qual o próprio Temer está incurso:

§ 1o Considera-se organização criminosa a associação de 4 (quatro) ou mais pessoas estruturalmente ordenada e caracterizada pela divisão de tarefas, ainda que informalmente, com objetivo de obter, direta ou indiretamente, vantagem de qualquer natureza, mediante a prática de infrações penais cujas penas máximas sejam superiores a 4 (quatro) anos, ou que sejam de caráter transnacional.

Nessa organização temos um brilhante fabricante de medidas provisórias, chamado Eduardo Cunha, preso em Curitiba; um carregador de mala milionária, preso em Brasília, chamado Rodrigo Rocha Loures; um coronel aposentado que recebe 1 milhão por ordem de Temer e paga as reformas das suas filhas; um turista eventual chamado Henrique Eduardo Alves, também preso; uma "mula" do ministro Padilha, chamado José Yunes; um resoluto defensor dos interesses particulares em detrimento dos públicos, Geddel Vieira Lima, prestes a ser preso. Falta alguma coisa para tipificar uma organização criminosa?

Ah, e todos comandados por uma pessoa que entra num jato particular sem saber de quem é, recebe visitas clandestinas no porão do palácio, recomenda manter a compra do silêncio de um corrupto notório, pede e recebe dinheiro de Marcelo Odebrecht, concorda em subornar juízes

A noção de vergonha também se esvaziou com o passar dos anos. Quando ficou patente que Collor comandava uma organização criminosa na qual era representado por PC Farias, sua base de apoio se desmilinguiu.

Agora, não; os fatos desabonadores que saem todos os dias em desfavor de Temer não provocam a debandada que se espera de políticos que juraram cumprir a constituição e dos quais se espera serem no mínimo honestos.

Nem ratos nem tucanos abandonam o navio pirata.

Em vez de repúdio, Temer recebe apoio.

E os tucanos ainda dizem que com isso estão ajudando o país.

Resta saber qual.


Por

Alex Solnik é jornalista. Já atuou em publicações como Jornal da Tarde, Istoé, Senhor, Careta, Interview e Manchete. É autor de treze livros, dentre os quais "Porque não deu certo", "O Cofre do Adhemar", "A guerra do apagão" e "O domador de sonhos"



142 Visualizações

Recomendadas

Palmas

Banhista é atacado por arraia em praia de Palmas

Temporada Araguanã

Kátia Cilene, João Neto e Frederico, Washington Brasileiro e Zé Ricardo e Thiago em Araguanã

Estado anuncia novas exonerações e volta da jornada de trabalho de oito horas

Justiça anuncia leilão de frangos para pagamento de dívida, mas volta atrás

Saúde Itapiratins

Itapiratins promove 1ª Pedalada Saudável

Poder Legislativo

Câmara de Lajeado realiza sessão itinerante na Pedreira

Brasil desamparado

SOS Lula

Tocantins

Editorias

Receba nosso boletim por e-mail

Nome

e-mail


Todos os Direitos reservados © Jornal Poder Tocantinense - 2017

Desenvolvido por Mundoweb - Inteligência Digital